O Rei Mandume

Mandume Ya Ndemufayo – SÉCULO XXmandume2

Mandume ya Ndemufayo foi o último dos reis Kuanyama, teria nascido no ano de 1884 e morreu a 6 de Fevereiro de 1917. Ndemufayo cresceu durante um período de significativa agitação no reino Kwanyama, devido à presença de comerciantes europeus e missionários. Terceiro na linha de sucessão para o trono Kwanyama, o príncipe vivia desde criança com medo de ser assassinado. [1]

Ndemufayo assumiu o trono de forma pacífica (para as normas Kwanyama) e imediatamente mudou a residência real para Ondjiva (agora em Angola). Ndemufayo expulsou do território Kwanyama os comerciantes portuguêses, denunciando a inflação dos preços que estes praticavam. Internamente, ele emitiu decretos proibindo a apanha de fruta não amadurecida, para se proteger contra as secas, e o uso desnecessário de armas de fogo, um produto importante obtido de comerciantes europeus. Significativamente, ele também estabeleceu duras penas para o crime de estupro e permitiu que as mulheres tivessem o seu próprio rebanho, o que anteriormente era ilegal. De modo geral, o rei Ndemufayo procurou restaurar a riqueza e a anterior prosperidade Kwanyama contra um sistema decadente da liderança local. [1]

Abstraindo das atitudes bárbaras que o caracterizavam, tolerava as Missões protestantes alemãs que o instruíram na língua, na escrita e na religião. Dizia ele «que todos os brancos que não fossem padres e estivessem dentro do seu território deviam ser mortos». E a comprová-lo mandou matar um português, a mulher e amigos que o acompanhavam. Em comparações que fazia entre as Missões católícas e protestantes, nas quais fora educado, apontava como justificação que aquelas «só se dedicavam à catequese e se «metiam em negócios de gado», enquanto que os luteranos primavam por elevar o nível social e intelectual das massas». [2]

Relações com o Cristianismo – Ndemufayo tinha reputação de perseguidor dos cristãos dentro do reino Kwanyama. Numerosas famílias cristãs fugiram para o reino Ondonga dos Ovambos devido à sua perseguição. Ndemufayo também teve problemas com missionários portugueses da Igreja Católica Romana, bem como com alemães protestantes da Sociedade Missionária do Reno. [1]

Combates de Oihole – Quando Mandume se retirou de Ondjiva foi instalar-se em Oihole. Dali enviava pequenos grupos de guerrilha que com grande sucesso abatiam os invasores em todo Oukwanyama. No dia 30 de Outubro de 1916, os portugueses lançaram uma grande operação, comandada por Raul Andrade, com forças entre 5 e 7 mil homens para duma vez por todas submeter a Mandume. Essa ofensiva foi atraída por uma cilada dos kwanyamas e foi totalmente esmagada. Dali saiu um ditado ainda muito popular em Oukwanyama que reza: Quem tem dúvidas, vá a lavra de Luli. Na lavra de Luli é donde estavam estendidos os cadáveres de portugueses, Raul Andrade incluído. Se destacaram nesse combate os destemidos comandantes: Kalola Shihetekela, Shikololo, Hamukoto Kapa, Naholo Haivinga, Hangula Kangudu, Haufiku Kasheeta e Nehova wa Walaula. Nessa batalha o saldo para os portugueses foi pior que do Vau do Pembe. O comandante máximo kwanyama dessa batalha foi Mandume ya Ndemufayo. [1]

Batalha do Pembe – No dia 25 de Setembro de 1904, os portugueses ao tentarem atravessar o rio Kunene, caíram numa emboscada dos ovambos (Kwamatuis e kwanyamas) donde foram totalmente esmagados. Os comandantes mais destacados dessa batalha foram Kalola ka Shihetekela e Mwatilefu ya Hautoni, distintos comandantes kwanyamas sob as ordens do rei Nande ya heidimbi. Muitas armas recuperadas nesse combate foram encontradas a arderem no palácio do rei Mandume em Setembro de 1915.
Mandume, filho distinto de África, foi o único rei em África que enfrentou um general. O General que enfrentou a Mandume, Pereira de Eça, na sua biografia fez a seguinte referência: Vou terminar, como é de justiça, fazendo também o elogio do adversário, cuja bravura foi inexcedível. Atacar três dias seguidos que no último combate, que durou dez horas, a uma distância que chegou a ser de cinquenta metros, revela um moral e uma instrução de tiro e de aproveitamento de abrigos que fariam honra às melhores tropas brancas. Esse adversário teve quem o armasse e instruísse, bem o sei, mas só com uma tempera verdadeiramente guerreira, entregue a si próprio, se manteria como se manteve até à Môngua, onde a nossa ofensiva quase que só se pôde efectuar no campo estratégico, pertencendo ao inimigo a do campo táctico. [1]

Batalha de Omongwa –  É conhecido por todos que essas colunas (portuguesas) foram esmagadas pelos kwanyamas. Essas humilhantes derrotas levaram a Roçadas, comandante máximo dos portugueses no baixo Cunene a fazer um informe da situação catastrófica dos portugueses no Oukwanyama. Esse informe motivou a vinda urgente de Moçambique do Pereira de Ença. Esse oficial, ao chegar a Angola foi investido como Governador-geral de Angola e chefe Supremo das forças armadas portuguesas em Angola. E, também, deram-lhe todos os recursos para combater a Mandume. No Memorias e Raízes: Em memória a uma amizade incomum: se afirma que previa-se forte resistência dessas populações sublevadas, sobretudo a Cuanhama, a tribo mais aguerrida de quantas havia em confronto, comandada pelo grande soba Mandume. Pereira de Eça não perdeu tempo, organizou tudo e no princípio de Agosto de 1915 as suas forças começaram a chocar contra os kwanyamas nos arredores de Omongwa. Na História de Portugal, Guerra em Angola, os oficiais portugueses descrevem a seguinte história: Do interrogatório feito a um prisioneiro e a doze indígenas que voluntariamente se apresentaram, fomos levados a concluir que nos combates dos dias 18 e 19 fôramos apenas atacados por uma parte das forças inimigas, sob o comando do «lenga» Calola, tendo como imediatos 9 «lengas»; e no combate do dia 20, sob o comando superior do «soba» Mandume, entraram em acção os guerreiros de 33 «lengas». Ainda afirmam que pela vivacidade do combate e precisão de tiro não dava dúvidas a ninguém que era o próprio Mandume, rei dos kwanyamas que estava a comandar. Se afirma, ainda, que no dia 19 a meio da noite deu-se o alarme. E, logo de manhã, a face da frente teve de repelir um ataque, que se estendeu para a esquerda, com tentativas improfícuas de envolvimento sobre a retaguarda. O fogo manteve-se vivo durante duas horas e, sempre que este afrouxava, ouviam-se claramente os cânticos de guerra do gentio. Os kwanyamas afirmam que a chegada do rei a um local era sempre saudada com grandes cânticos. Os cânticos daquele dia estavam a celebrar a chegada do rei Mandume ao epicentro dos combates. A mesma fonte agrega, ainda que o Destacamento português do Cuanhama, que sofrera perdas sensíveis, quer nos três combates da Môngua, quer durante as marchas realizadas após a transposição do Cunene, ficara sem condições de continuar o seu avanço sobre a N’Giva. A batalha de Omôngua é a maior e a mais mortífera batalha para os portugueses ao longo de toda suas aventuras de ocupação em África e talvez em toda sua história. É descrita como a Batalha das batalhas. O comandante kwanyama dessa batalha foi Mandume ya Ndemufayo. [1]

Batalha e morte – Nenhum colonizador europeu desafiou os reinos bem organizados e bem armados Ovambo até 1915 ao início da I Guerra Mundial, que coincidiu com uma seca enorme local. Durante a batalha de Omongwa, Ndemufayo e os seus Kwanyama resistiu a um ataque dos portugueses durante três dias. Simultaneamente, as forças sul-africanas conquistaram a parte do reino Kwanyama anteriormente localizada no sudoeste alemão da África. Devido às grandes perdas, Ndemufayo foi forçado a colocar a capital Kwanyama na área do Sul da África Ocidental. [1]

O fim trágico que o envolveu corresponde exactamente ao tipo de homem que encarnava. Valente, ousado, arrogante e aventureiro. Abandonando N’Giva, sede do Reino, depois da última batalha da Môngua, em Agosto de 1915, instado pelos Ingleses, foge para o lhole na fronteira com o Sudoeste. Mandume presta vassalagem a Sua Majestade Britânica. Constrói a nova ‘Embala’ em lhole, ainda pertencente ao domínio inglês, já que só posteriormente Namakunde passava a integrar o território português. Impaciente, de espírito ardente e guerreiro, desenvolve surpreendente actividade nos domínios já abrangidos pelos Portugueses, incitando seus súbditos à revolta contra os Brancos, intimando-os a passarem ao Sudoeste com suas manadas. Eufórico, vai além dos limites da prudência e exerce uma acção de combate em território inglês. No ano seguinte, dirige investidas ao Cuanhama, tentando reconquistar o reino perdido. E as autoridades portuguesas de Namakunde pedem aos Ingleses que terminem com as actividades de Mandume. A 30 de Outubro de 1916, aniquila uma força portuguesa comandada pelo tenente Raul de Andrade, habilmente atraída a uma cilada. Recusa-se a ir a Windhoeck conferenciar com os Ingleses a quem teria dito «que viessem ao lhole se quisessem», e preparando-se para recebê-los sabendo de antemão que apressava o seu fim: «se os Ingleses me querem, podem vir apanhar-me. Não dispararei o primeiro tiro, mas não sou um touro do mato. Sou um homem, não uma mulher, combaterei até ao último cartucho». Trava-se violenta batalha entre Namakunde e lhole, mas os Ingleses contornam a operação. Karora, o súbdito fiel, vigiava o Norte. Uma força portuguesa entrou em acção. Já em Ondongua os Ingleses lutaram com pequenas forças de Mandume. E o último Soba Cuanhama, rodeado de aproximadamente seiscentos homens da sua guarda pessoal, enfrenta também o último combate. [2]

Afirmam os ingleses que o «Rei» foi identificado com quatro balas de metralhadora. Os Cuanhamas têm outra versão mais digna e real, e dela não se afastam. Acuado, já ferido, Mandume é retirado pelos seus fiéis súbditos, os Lengas, bem assim como pelos filhos do seu primo Weyulu, para debaixo da árvore imensa, o imbondeiro, onde finalmente praticou o suicídio com a sua bela arma Mauser, depois de liquidar três companheiros de luta. Assim contam o episódio: Mandume reuniu-se com os filhos de Weyulu, a quem perguntou «se preferiam ser lacaios dos Portugueses ou morrer com ele», ao que optaram pela morte. O padre Keiling tem uma narração mais precisa do grande acontecimento: E virando-se para os sobrinhos (primos) os filhos do falecido SobaWeyulu, lhes perguntou se queriam ser muleques de brancos. Como eles dissessem que antes queriam morrer, o Soba, levando a espingarda à cara, prostrou-os com dois tiros, e virando em seguida a arma contra si mesmo, fez saltar os miolos. [2]

Em Fevereiro de 1917, após Ndemufayo recusar submeter-se ao controlo sul-africano, morreu em batalha contra os sul-africanos. A causa da morte é contestada:  Uma terceira versão refere que Mandume foi abatido, em 1917, no decurso de uma batalha contra as tropas portuguesas.

Túmulo do rei Mandume [2]

Apesar de o Povo Cuanhama aceitar, conformado, a soberania portuguesa, com um passado de incessantes crises, lutas, mortes e arbitrariedades, desde os Sobas anteriores, para cumular com o despótico Mandume, sentem que ele foi temido por estrangeiros e que merecia, depois de morto, outro tratamento para que ficasse gravado o seu nome nas futuras gerações, como Rei e guerreiro. Isto faz lembrar as palavras do General Pereira D’Eça ao julgá-lo como militar e homem, no Relatório de Campanha sobre a batalha de Môngua: «Atacar três dias consecutivos um destacamento constituído por duas baterias de artilharia de campanha, quatro baterias de metralhadoras, estando estas formadas em Quadrado, e aproximando-se delas com muita insistência, que no último combate que durou dez horas, a uma distância que chegou a ser de cinquenta metros, revela uma moral e uma instrução de tiro e aproveitamento de abrigos que faria honra às melhores tropas brancas.» [2]

Mas vejamos a opinião dos informadores sobre Mandume. Muakina, o velho «Lenga» de Nande, Chico Ipúlua e Tamira, este ainda criança em 1917, ouviam de seus pais e de toda a comunidade esta afirmação: «Mandume suicidara-se com a sua bela arma «Mauser», e Muakina explica: «Quando passamos pelo túmulo somos obrigados a descobrir-nos. Mandume foi o nosso Rei e o último que servimos.» [2]

Apesar de alguma controversa em alguns pontos da historia de Mandume, podendo em alguns casos ate mesmo ser istoria, é de um todo unanime  as opiniões sobre a sua bravura, influencia e luta pela proteção de seu povo. Por estes e outros motivos é que foi considerado pelo povo Kwanhma o seu etreno rei e para o povo angolano em geral como: Mandume – O Rei dos Reis.

Referências

[1] PITIGRILI – Angola, Luanda, e tudo mais…

[2] TIPISSARRO – Memorias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s